quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Poços de Caldas/MG

Poços de Caldas é uma cidade situada ao sul do estado de Minas Gerais. Com uma população de 151.449 habitantes, está localizada a cerca de 470 quilômetros da capital, Belo Horizonte, e a 260 quilômetros da cidade de São Paulo, e ainda a 169 quilômetros da cidade de Campinas.

Portal de entrada da Cidade
Represa Bortolan
É uma cidade com algumas indústrias, comércio variado, mas grande parte de sua economia vem do turismo, por causa da fama das fontes de águas minerais utilizadas para diversas terapias.

Fomos a Poços de Caldas em Outubro de 2010, não conhecia a cidade e fiquei encantada, porque é uma região muito agradável. Ficamos hospedados no Palace Hotel, só o hotel já valeu a viagem. Ele por si só já é uma atração para todos que vão a Poços, por causa de sua beleza arquitetônica interna e externa.
Fachada do Palace Hotel
Área interna do Hotel
Praça Central
Praça Central
Neste período que ficamos em Poços tivemos a oportunidade de assistir a duas apresentações da Orquestra Sinfonia das Águas e conhecer alguns lugares, como: Cascata das Antas, Cachoeira Véu da Noiva, Fonte dos Namorados, Recanto Japonês, a vista do Cristo, Fontes Luminosas, Pedra Balão, etc...
Fundos do Palace Hotel onde ocorreu a apresentação da
Orquestra Sinfonia das Águas
Passeio de Charrete
Eu fiz e não gostei, dura mais ou menos uma hora e custa R$ 60,00 para duas pessoas. Para quem vai de carro é um passeio desnecessário, mas ajuda as pessoas que trabalham com este serviço na cidade.
Vista da cidade do alto do Cristo Redentor
Cascata das Antas
Fonte Luminosa a água dança conforme a música
Cachoeira Véu da Noiva

Fonte dos Namorados
Recanto Japonês
Pedra Balão
Relógio Floral
Quem vai a Poços por causa dos famosos banhos, se ficar hospedado no Palace o hotel já oferece uma área com piscina de água sulfurosa; balneário com banheiras para banho em água sulfurosa; sauna, etc., mas para aqueles que não podem ou não querem pagar o Palace, a opção para o banho são as Thermas Antônio Carlos, construídas em 1931. Trata-se de um dos balneários mais conhecidos em toda América Latina, lá você pode fazer o banho de ducha ou de imersão em águas sulfurosas; sauna; massagem; limpeza de pele o preço vária de R$ 10,00 (banho - 20 min.) a R$ 40,00 (limpeza de pele - 40 min.). Eu fui apenas conhecer porque é um prédio com uma arquitetura que chama muito a atenção.
Piscina de água sulfurosa do Palace Hotel
Fachada da Thermas Antônio Carlos
Outras opções para passeios e compras são: Loja e Fábrica de Cristais Cád’oro, lá além de encontrar peças lindas de cristais, você ainda tem a oportunidade de ver o artesão produzir; compramos os cristais na Loja São Marcos porque nos agradou mais; tem também a Loja e Fábrica de Sabonetes, Chocolates. Aha, e quem vai a Minas não pode deixar de saborear e comprar os deliciosos doces de leite, e compotas de frutas. Só de lembrar já sinto vontade de voltar.

Até a próxima viagem...!!!

Fotos tirada por Vanessa Carvalho

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Recife, Olinda, Porto de Galinhas/PE

A cidade de Recife, capital de Pernambuco, recebeu este nome por causa dos recifes que se estendem por toda a sua costa, formando belíssimas piscinas naturais. Sua população é de 1.561.659 habitantes, e o bairro de Boa Viagem é o mais populoso, com 100.388 habitantes; também é onde concentra os melhores endereços da cidade.

Recife tem um grande potencial turístico, mas, dois terços do seu PIB são provenientes do comércio e dos serviços; tem o pólo médico mais importante do Norte/Nordeste e o segundo mais importante do Brasil. A cidade também abriga o pólo mais importante de Tecnologia da Informação do Brasil, com cem empresas multinacionais, dentre elas a Microsoft, a Nokia, a Motorola, dentre outras importantes.

Seu aeroporto é o maior da região, está entre os mais modernos do país e entre os 5 melhores aeroportos do mundo, eleito pelas próprias companhias aéreas. O Shopping Center Recife é o segundo maior centro de compras do Norte/Nordeste, com mais de 400 lojas.

Deixando um pouco de lado a história... desta vez fomos com pouco tempo, no sábado, com passagens de volta para quarta pela manhã, e isso, sem falar que tivemos que conciliar com o trabalho na segunda-feira e terça-feira. Mesmo assim foi muito bom, e acabou dando tudo certo.

Chegamos sábado à tarde, ficamos hospedados no Recife Monte Hotel, em Boa Viagem, hotel tradicional e que fica a apenas uma quadra da praia de Boa Viagem, a mais famosa de Pernambuco. Contudo, o hotel, apesar de considerado 4 estrelas, ficou um pouco a desejar; não gostei muito do quarto, box com cortina de plástico e uma banheira antiga e um pouco desgastada, uma televisão pequena e quase nenhuma opção de canais da tv à cabo; até perguntamos se todos os quartos eram daquele jeito, e nos disseram que aquele já era um quarto reformado; também achei escuro e um pouco desconfortável.

Porém, o saguão do hotel é bonito, com sofás em couro, além de uma sala de televisão bem ampla, com mesas de jogos; e a piscina do hotel é espaçosa, agradável, e um bom local para descansar. E o café da manhã também é bom, variado, e farto.

Bem, deixamos as malas no quarto e fomos caminhar na orla da praia de Boa Viagem, uma praia bonita (mas não é das mais bonitas que já conheci), a avenida com vários arranha céus residenciais, e em toda orla placas com aviso de “perigo: tubarões”. Mas fiquem tranquilos, em toda a orla tem uma parede de recifes que formam piscinas, e pelo que vi e ouvi, as pessoas brincam bem tranquilas por ali.

Praia de Boa Viagem
Praia de Boa Viagem
Praia de Boa Viagem - na maré baixa é possível ver os recifes
Calçadão da Praia de Boa Viagem
Calçadão da Praia de Boa Viagem
Calçadão da Praia de Boa Viagem
Placa com aviso de tubarão visível em toda orla de Recife e Olinda
De manhã, quando a maré está baixa, é possível ver esses recifes. Bom, ainda no sábado fomos ao Shopping Center Recife, o maior da região, com 4 praças de alimentação e diversas lojas. Ele é térreo, com um único andar. Jantamos no Restaurante self service “Mulher Rendeira”, e depois fomos ao cinema assistir Comer, Rezar, Amar. Só não gostei de ficar na fila para comprar os ingressos, e depois na fila para entrar na sala, pois, além de levar mais de uma hora pra fazer tudo isso, as cadeiras não tinham numeração marcada, e eu não gosto de ficar embaixo da tela.

No domingo aproveitamos o dia para caminhar na praia de Boa Viagem, depois fomos a Olinda, Região Metropolitana, a 6 km de Recife. Olinda é um dos mais importantes centros culturais do Brasil. Em 1982, foi declarada Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela UNESCO.
Praia de Olinda
Almoçamos no Restaurante Estrela do Mar (indicado pelo taxista), muito boa a indicação. O restaurante é de frente para o mar, bem frequentado, um dos melhores da região, com um cardápio variado de frutos do mar, peixes, frango, filé e massas. Depois, aproveitamos para conhecer um pouco da cidade.

Praia de Olinda
Fomos a Igreja de Nossa Senhora da Graça, que fica no alto do Morro do Seminário, a vista é linda, o mar de Olinda atrás, e, ao fundo, Recife. Também fomos à Igreja de Nossa Senhora da Misericórdia, mas estava fechada. Porém, fomos até as lojinhas que ficam na rua lateral, com artesanato local. Depois, fomos à Igreja e Mosteiro de São Bento, onde se destaca o altar feito de madeira de cedro, folheado a ouro. Olhar aquela construção é algo que enche os olhos, independente da religião ou crença que você possa ter.
Vista de Olinda ao fundo Recife
Fachada da Igreja Nossa Senhora da Misericórdia

Fachada da Igreja e Mosteiro de São Bento
Altar-mor da Igreja São Bento
Feito de madeira cedro e folheado a ouro


Nesta epóca do ano, Olinda é bem tranquila; o agito maior se dá em festas como o carnaval, ao som do frevo do maracatu e outros ritmos originais de Pernambuco. Voltamos para Recife, e seguimos para a Praça do Marco Zero. Ao fundo o cais, o porto, e outra feirinha em uma rua lateral, bastante movimentada e com venda de coisas variadas, inclusive doces típicos da região.


Farol de Olinda
Construções de Olinda
Marco Zero em Recife

Segunda: trabalho, reunião logo cedo. Terça: finalizamos o trabalho e fomos almoçar (praticamente jantar, por causa do horário) em Porto de Galinhas. Localizada no município de Ipojuca a 60 km de Recife.



A praia ganhou este nome porque no auge da escravidão no Brasil os escravos ilegais chegavam escondidos embaixo de engradados de galinha. Eram anunciados como galinhas novas no porto. Então a Praia, que tinha o nome de Porto Rico, ficou conhecida como Porto de Galinhas.

Orelhão em Porto de Galinhas

A vista do mar é linda, imaginei que fosse somente a praia, mas ao chegar é possível ver os grandes resorts, um centro com várias ruas que se cortam, algumas lojas, restaurantes e até um pequeno shopping.
Lojas em Porto de Galinhas

Fomos almoçar no Restaurante Peixe na Telha, dizem que é um dos melhores de lá; fica na avenida Beira Mar, em uma faixa estreita entre a rua e a praia. O mar é muito bonito, pena que a maré estava alta, não conseguimos ver as piscinas naturais que se formam quando a maré está baixa.
Praia de Porto de Galinhas - Vista do Restaurante Peixe na Telha
Praia de Porto de Galinhas
Onde se formam as piscinas naturais quando a maré está baixa

Mas não vai faltar oportunidade para voltar; a viagem foi curta, a trabalho, mas aproveitamos, ou tentamos aproveitar, pelo menos um pouco do melhor que cada cidade pode nos oferecer.

Até a próxima viagem...!!!



Fotos tirada por Vanessa Carvalho



domingo, 12 de setembro de 2010

BUENOS AIRES/Argentina

Buenos Aires, capital da Argentina, é uma cidade encantadora, uma metrópole que recebe muitos turistas por causa de seus atrativos, e também por sua moeda, o Peso Argentino, dar um preço convidativo a vários de seus produtos, por conta de sua desvalorização diante do Real e do Dólar.
Obelisco
Casa Rosada
Universidade de Buenos Aires
Fomos a Buenos Aires em Julho de 2010, no auge do inverno; casaco, luvas, cachecol, botas e meias, muitas meias, foram peças fundamentais nos dias em que ficamos na cidade. Nos hospedamos no Blue Tree Hotels – Recoleta, um hotel com boa localização, considerado 4 estrelas, mas que peca muito no serviço.

Uma vez instalado, e bem agasalhado, quem vai a Buenos Aires não pode deixar de assistir a um show de tango, já que é um dos principais atrativos da cidade. Fomos a “Casa de Tango Porteño”, adorei a apresentação, com direito a jantar e bebidas à vontade.

Casa de Tango
Na cidade, além do tango, há excelentes peças e outros shows em vários teatros espalhados principalmente pelo centro da cidade, e ao redor da Avenida 9 de Julho, que é, diga-se a espinha dorsal da cidade; fomos ao teatro assistir uma apresentação do musical da Broadway de “A Bela e a Fera” foi um belíssimo espetáculo, fiquei encantada.

Mesmo assim, há outros bairros com vários tipos de shows, de tango como em La Boca, principalmente em El Caminito. O tradicional tango argentino está por ali. Simples, rústico, mas que tem o seu charme e valor histórico.
La Boca

Mas não se engane, Buenos Aires não vive só dos palcos do tango; há vários lugares diferentes e interessantes para serem visitados, como: Museus, Livrarias, Shoppings, Parques, Zoológico, Estádio do Boca Júnior, os bairros famosos da cidade, fazer compras, fomos até ao Cemitério da Recoleta.
Museu de Armas

Buenos Aires tem muita coisa para fazer, e muitos bairros para visitar: Centro, Recoleta, San Telmo, Palermo, Puerto Madero, La Boca. Vale a pena conhecer todos eles, no Puerto Madero tem vários restaurantes muito bons, no Palermo fomos ao Zoológico ao Jardim Japonês, e a outros parques, no La Boca fomos ao Estádio Boca Júniors, e a rua Caminito, colorida, alegre e diferente, com alguns restaurantes, shows de tango e muitos turistas; na Recoleta fomos ao cemitério, ao museu, ao Centro Comercial de Design, e em parques da região. Cada bairro tem sua atração, sua história, sua vida própria. A soma de tudo isso é que faz Buenos Aires. Por isso, acho que a melhor maneira de conhecer um lugar é “andar”, conseguimos achar lugares que nenhum guia ou taxista nos diria.

Puerto Madero


Jardim Japonês
Os Parques da cidade são muito bem conservados, limpos, bem diferente de muitos lugares no Brasil; vale a pena conhecer o Zoológico da cidade, é muito bem cuidado e com uma variedade grande de animais, o interessante é o baldinho com biscoitinhos que eles vendem para os turistas, para alimentar os animais; lá, cada criança ou adultos tinha o seu.
Praça das Nações Unidas
Praça de Palermo
Praça de Palermo
Zoológico
Zoológico

Ir ao Estádio do Boca Júnior também foi muito legal, como todos sabem, os argentinos são fanáticos por futebol, talvez até mais do que os brasileiros; fizemos uma visita com um guia que explicou um pouco da história do estádio, conhecemos o museu, o campo de futebol, as instalações, e os vestiários.
Estádio do Boca Júnior
Museu do Estádio
Buenos Aires é um paraíso para as compras, no bom sentido; comprei casacos, roupas de marcas tradicionais por um preço que não se encontra aqui no Brasil, nem nas Duty Free dos Aeroportos. O real é bem valorizado lá. Por isso, uma dica: deixe para trocar seu dinheiro (por peso) ou fazer saques em dinheiro lá na Argentina, porque a troca de moeda em casa de câmbio lá paga mais pelo Real do que aqui. Contudo, o Real e o Dólar também são bem aceitos nas lojas, restaurantes e teatros da cidade.


Cuidados: no centro, com os vendedores ambulantes de shows de tango, roupas de couro e de troca de moeda; não tivemos problemas, mas ficamos sabendo de alguns casos de roubo e furto por causa da distração que eles provocam, enquanto seus cúmplices levam bolsas e carteiras sem que ninguém desconfie; e cuidado também com alguns taxistas, o táxi lá é bem barato, então leve, se possível, o dinheiro trocado, porque têm aqueles, como em todo lugar do mundo, que querem se aproveitar dos turistas e, conclusão, devolvem o seu troco em notas falsas.


Até a próxima viagem...!!!

Fotos tirada por Vanessa Carvalho